quinta-feira, 22 de novembro de 2012

A mão de Deus

É normal andar a desenhar malta que está no comboio. É uma forma de ocupar o tempo que passo na viagem, principalmente quando nao tenho nada para ler.
Ora o meu jeitinho para a arte do desenho digamos, não é nada de extraordinário e até pode ser considerado uma ofensa caso um dia destes, por infelicidade, a pessoa desenhada quiser ver o que eu fiz. Na Bélgica onde os bons desenhadores caem no céu poderia facilmente ser preso. É porque eu tenho uma capacidade incrível para fazer as pessoas parecem com outras pessoas. É mesmo muito frustrante. Uma mulher engraçada pode facilmente ficar com aspecto duma Duquesa de Alba e um surfista, quando o traço não ajuda, pode chocar com um Zé Pedro.
Mas ontem, sem literatura na mala, decidi aumentar a escala dos meus esboços e bem, não sei o que se passou, mas parece que algo pegou na minha mão e desenhou por mim. Se fosse um homem religioso e tivesse em crise de fé, diria que tivera ali, no comboio das seis e vinte e quatro a prova de que Deus existe.
Estou tão orgulhoso do milagre que tenho de o mostrar ao mundo!


5 comentários:

  1. Tenho a certeza que o Michael Angel pensou exactamente o mesmo depois de terminar a capela sistina.

    ResponderEliminar
  2. Correcção: Não é Michael Angelo. É Michael Angel O.

    ResponderEliminar
  3. É isso! Agora é só continuar a insistir e nunca ficar satisfeito com o que se consegue fazer! Abraço :)

    ResponderEliminar