quinta-feira, 19 de novembro de 2015

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Sair da Rotina

A piada é que, um momento que podia insuportável tendo em conta que estivemos uma hora e quarenta minutos parados à espera que o comboio fosse arranjado, transformou-se, para mim, no momento mais fixe do dia. A saída da rotina é uma coisa maravilhosa.


segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Ricardo III

Há muito que sigo o trabalho de Tiago Rodrigues e também do Tónan Quito. Tiago Rodrigues é um encenador único que escreve as suas próprias peças e ainda por cima tem uma produtividade incrível. As peças são tão boas que andam pelo mundo em digressão, em festival e teatros e mostras recebendo constantemente os devidos elogios da crítica e do público.
Em Portugal era mais ou menos desconhecido, os seus trabalhos estavam sempre em cena meia dúzia de dias e eram vistos por meia dúzia de pessoas e quase sempre as mesmas.
Agora é o director artístico do Teatro D. Maria II e vai ter a oportunidade de mostrar o seu talento a um público mais abrangente. Começou com as tragédias gregas e, na minha opinião, foi uma das melhores coisas já feitas neste país na última década.
Agora apostou em Ricardo III encenado por Tónan Quito. É uma peça com os seus altos e baixos e os altos são mesmos altos e os baixos não comprometem. Mas o impacto cénico fascinou-me. Não consigo parar de pensar naquilo e de desenhar.



segunda-feira, 5 de outubro de 2015

As tragédias

Adoro o Tiago Rodrigues a as suas peças. Sigo o trabalho dele há muitos anos e gosto de todas as peças que encenou. Agora é o director artístico do D. Maria II e ainda bem porque é de longe o encenador mais talentoso que Portugal já teve.
Recentemente levou 3 tragédias à cena e aquilo foi mesmo elevar a fasquia.  Os actores especialmente a Flávia Gusmão e o Miguel Borges enchem qualquer palco e emocionou-me tanta intensidade e originalidade.


quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Sonhos épicos

Há um site de que gosto muito chamado everypersoninnewyork em que Jason Polan tem o objectivo de desenhar todas as pessoas de Nova York. Tarefa impossível, mas que não o faz desistir.
Eu, tenho as pretensões mais baixas, contento-me em desenhar todos os passageiros que vão de Lisboa para Cascais.








quarta-feira, 9 de setembro de 2015

As pequenas coisas

Tenho feito desenhos de um minuto em pequenos papeis enquanto atendo um telefonema ou outro no trabalho e a pessoa que está do outro lado fala, fala, fala, fala, fala, fala e não precisa de mim para nada a não ser para a ouvir.